sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Retrospectiva filosofal


O começo, onde tudo começa certo?
Se isso significa tanto pra ti,
Não funciona com meus princípios atentos.
Princípios que não me deixam parar.
Datas, dias e comemorações nos fazem sentir
O quanto precisamos um do outro.
Passando da fase em que pouca coisa dava certo,
Senti o vento mais forte, uma leve brisa de ideias e sensações.
Nesse frio de alma e clima,
Estudei, em todos os sentidos pra te encontrar.
Encontrar uma alma que compartilhe
Dos mesmos sons e visões progressistas.
Mudanças vieram como um susto predestinado,
Algumas reações aconteceram tardiamente, mas sem aviso.
Lembro-me bem do teu rosto e do que podíamos ter feito,
A fusão de ideias estava clara pra mim
O que eu queria era ouvir o teu sim.
A partir do momento em que te deixei por um motivo ainda intocável,
Respirei outros ares e então foi tudo o que eu havia sonhado.
Te vi, te disse olá.
Tudo o que aconteceu a partir disso é passado
Mas ainda continua presente em meus pensamentos.

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Fim de ano 13


Meus olhos estão acostumados a ver luzes coloridas
E fogos de artifício.
Bobagem é pensar que todos esperam por férias e festas.
Programas te induzindo a gastar teu 13° salário, em coisas,
Que talvez você não tenha, mas que não precisaria tanto assim.
Enfim, todo final de ano é todo e sempre igual.



Normalidade


Ainda penso no impossível, será que é mesmo?
Impossível uma palavra tão abrangente, com possibilidades.
Que para muitos, seriam possibilidades inacessíveis.
Eu sinto que muda um pouco para mim, a
Normalidade dessas pessoas é preguiça dos seus pensamentos.
Não dão um passo sem pensar aqui ou ali.
Eu penso, sinto e observo friamente cada movimento teu.
Teu calor e sensatez me fazem sair dessa normalidade.